Blog Alma Missionária

Blog Alma Missionaria

domingo, 11 de maio de 2014

MENSAGEM DO DIA


11/05 O filho preferido - Pe. Zezinho, scj

O filho preferido 
Pe. Zezinho. scj


Os pais injustos que dão tudo para um filho ou uma filha, negam quase tudo para o outro filho e nem sempre o fazem porque o outro filho é pecador ou é indigno. Mostram preferência, porque sentem preferência e eles mesmos não sabem explicar o porquê, arranjam alguma desculpa, mas na verdade privilegiam escandalosamente o filho escolhido, e prejudicam cruel e escandalosamente os outros filhos. E se forem dois filhos pior ainda, é mais visível e eles não se dão conta da sua cegueira.
Existe, portanto filho escolhido, e o filho rejeitado, nem sempre porque merece. Mas porque os pais pura e simplesmente ou tem medo, ou gostam demais do outro. Não há sacerdote, pastor ou educados que não conheça esses casos. Para o filho predileto, escolhido o dinheiro por fora, a herança os bens. Para o outro pouquíssimo ou nada, reclamem quanto quiserem, os outros esperam. Tem muita sabedoria a narrativa do livro do Genesis, principal personagem José do Egito, escandalosamente escolhido e protegido por seu pai Jacó, acendendo o estopim do conflito familiar, que durariam décadas. Conflito parecido com o de Esaú e Jacó. Portanto vinha de família e passava para família, filhos escandalosamente protegidos e escandalosamente escolhidos.
Por isso tomemos cuidado com essa história de religião eleita, escolhida. Religiosos eleitos e escolhidos por Deus. Como se Deus de amor infinito amasse mais a uns do que a outros. Deus não sabe não amar, não sabe amar menos, não sabe amar mais, porque ele ama de um amor infinito, tanto a vítima quanto ao assassino, as punições também serão de acordo com o pecado de cada qual, porque Ele é justo ao máximo, da mesma forma que é misericordioso ao máximo.
Deus consegue ser justo e misericordioso ao máximo, mas os pais nem sempre conseguem, muitas vezes são misericordiosos, mas injustos. Ao serem misericordiosos e bonzinhos demais para com um filho e severos demais para com outros. Os pais não precisam andar de canequinha na mão, mas devem se examinar para ver se não está protegendo excessivamente um filho contra todos os demais. A bíblia e o cotidiano nos lembram que nem sempre dá certo, quase sempre o filho escolhido, protegido é o filho que não deveria ter sido nem escolhido, nem protegido, acaba displicente, mimado e prepotente.
A meu ver não adianta muito escrever artigos desse teor, dos pais que privilegiam um filho são cegos e surdos. Não querem ver, não querem ouvir, não querem conversa, a vizinhança inteira percebe menos eles. Para um filho todas as chances e benesses e desculpas, para o outro dureza. Arranjem a desculpa que quiserem, mas estão errados, terrivelmente errados.

www.padrezezinhoscj.com
Comentários para: online@paulinas.com.br

VEJA TAMBÉM

Postar um comentário