quarta-feira, 27 de março de 2013


Posts Tagged ‘SemanaSanta’

A Nossa Salvação Tem Um Preço!?

quarta-feira, março 27th, 2013
Nesta Semana Mística a liturgia da Palavra é a nossa bússola para mergulharmos nos Mistérios que estamos para celebrar. Hoje meditamos sobre o preço a ser pago. Ditado comum que escutamos quase sempre: “tudo tem seu preço”. A nossa salvação também tem um preço, que na verdade foi pago para nós e não que pagamos por ela. Vivemos numa cultura imediatista e onde queremos encontrar soluções rápidas e fáceis para tudo. A cultura do descartável, do passageiro, mas esquecemos muitas vezes, que problemas difíceis e demorados exigem soluções difíceis, comprometedoras e demoradas, ou seja, a longo prazo. E nem sempre queremos “pagar” esse preço!
“Naquele tempo, um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes e disse: “Que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus”(cf. Mt 26,14-25).
Estamos avançando dentro da espiritualidade da Semana Santa, três figuras se apresentam no anuncio da traição, que se desenrola numa cena dramática, a Ultima Ceia, que permite contrapor ao traidor Judas, o discípulo predileto, e Pedro. “Jesus ficou profundamente comovido e testemunhou: Em verdade, em verdade vos digo, um de vós vai me entregar”. João 13, 21 Quem estava com Jesus eram os doze, os mais chegados, que conviveram com o Mestre durante três anos. Imagine o que se passava no meio deles, as perguntas, as desconfianças: “Mestre serei eu?” Todos se questionavam, foi colocada em cheque a amizade, a intimidade, a fidelidade dos Apóstolos. Jesus também nos questiona hoje, que tipo de pergunta Jesus estaria fazendo para você? És meu amigo, queres me seguir ou tens medo de não ser fiel?
Mas Jesus sabia quem iria lhe trair e quem iria lhe negar e também que todos o abandonariam já no Monte das oliveiras. No meio está Jesus, que estremece ante a presença do ódio satânico: “… mas a morte entrou no mundo por inveja do diabo”. Jesus conserva seu domínio soberano, faz um gesto de afeto particular, passa o pão no molho e entrega ao traidor, pois em nenhum momento Ele desistiu de Judas, e dá a ele a ordem de agir. A questão agora é qual o valor que eu dou a cada coisa, pessoa e situação na minha vida. Judas vendeu o Mestre por trinta moedas de prata, os valores que damos ao que vivemos revela o nosso caráter a nossa índole. “Onde esta o teu tesouro ai estará o teu coração”.
O discípulo amado, o traidor Judas e Pedro, que negaria Jesus antes que o galo cantasse, antes do dia amanhecer. Esses dois últimos em relação bem distintos, Judas deixam as trevas lhe dominar, ele arquitetou, premeditou a traição, esse acontecimento foi sendo concebido no interior de Judas há muito tempo, pois até já tinha vendido o Mestre por trinta moedas de prata. Pedro agiu por covardia, por medo do compromisso de ter que passar pelas mesmas coisas que Jesus estava passando, mas arrependeu-se amargamente e no final de sua vida a fidelidade o levou a ser crucificado como seu Mestre, porém de cabeça para baixo, pois não se achava digno de morrer como o Senhor.
Jesus continua no meio e o discípulo amado é o interlocutor desse diálogo, aqueles que iriam trair e negar não conseguem dirigir a palavra a Jesus. Esse diálogo prova que a cena é toda perpassada por uma profunda misericórdia e conhecimento de Jesus da fragilidade humana. Enquanto Judas vendia Jesus por uma bagatela, Ele nos comprava pelo preço de Sua própria vida, do seu sangue: “De fato, fostes comprados, e por preço muito alto! Então, glorificai a Deus no vosso corpo” (cf. I Cor 6,20). Aqui esta em questão o valor de cada pessoa para Deus, qual o valor de Judas? Qual o valor de Deus em minha vida? Por muito menos nós os filhos de Deus temos nos vendido.
“O pecado espreita a porta, embora ele te deseje, tu podes dominá-lo”. (Gêneses 4, 7) É hora das trevas, Judas se perde na escuridão, sobre ele se esconde pesada noite, imagem das trevas que iriam surpreendê-los. Mas no meio desta noite refulge o esplendor da Glória, preceito do amor. A Paixão é o cumprimento do desígnio divino e o sacrifício por Amor é a glorificação de Deus pelo homem e do homem por Deus. O anúncio da Paixão provoca a intervenção de Pedro e o anúncio da negação. Confessar Jesus até a morte não é obra puramente humana, è dom de Deus, que será concedido depois que Jesus tiver se sacrificado por primeiro.
Pedro por hora não pode segui-lo e Judas que deu lugar às trevas não compreendeu a misericórdia, que é infinitamente maior que o pecado, e por isso se perdeu no desespero de tirar sua própria vida, não acreditou em Jesus e na sua misericórdia que é infinitamente maior que o nosso pecado.
Comprados pelo Sangue de Cristo, qual o seu preço? Clique em comentários e deixe os seus pedidos de orações.
Minha benção fraterna+
Padre Luizinho, Com Canção Nova.

Judas esta condenado pelo que ele fez, o que aconteceu com o Iscariotes?

terça-feira, março 26th, 2013
“Em verdade, em verdade vos digo, um de vós me entregará”. Desconcertados, os discípulos olhavam uns para os outros, pois não sabiam de quem Jesus estava falando. Um deles, a quem Jesus amava, estava recostado ao lado de Jesus. Simão Pedro fez-lhe um sinal para que ele procurasse saber de quem Jesus estava falando. Então, o discípulo, reclinando-se sobre o peito de Jesus, perguntou-lhe: “Senhor, quem é?” Jesus respondeu: “É aquele a quem eu der o pedaço de pão passado no molho”. Então Jesus molhou um pedaço de pão e deu-o a Judas, filho de Simão Isca­riotes. Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. “Vós me procurareis, e agora vos digo como eu disse também aos judeus: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’”. Simão Pedro perguntou: “Senhor, para onde vais?” Jesus respondeu-lhe: “Para onde eu vou, tu não me podes seguir agora, mas seguirás mais tarde”. Pedro disse:“Senhor, por que não posso seguir-te agora? Eu darei a minha vida por ti!” Respondeu Jesus: “Darás a tua vida por mim?” “Em verdade, em verdade te digo: o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes”. (cf. João 13, 21-33. 36-38).
Nestes dias precisamos estar atentos ao que Deus nos fala. Jesus colocou em chegue à amizade e a fidelidade de todos os discípulos, e todos se questionavam: “Acaso, serei eu, Senhor?” Porque Jesus diz “é aquele que come comigo”, mas todos estavam comendo com Ele na Ceia derradeira, portando cada um deles poderia ser o possível traidor. O mais importante àquele que o traiu não conseguiu experimentar, apesar do meu pecado o Senhor me ama e o seu amor é infinitamente superior ao meu erro e traição. Esse gesto, talvez tenha sido a última cartada de Jesus para entrar no coração de Judas, para conquistar-lhe a confiança, mas Judas não permitiu o amor de Jesus o conhecer. O maior pecado de Judas não foi à traição, foi a falta de abertura à graça e o desespero em não confiar na infinita misericórdia de Deus!
A traição de Judas está pautada com alusão a passagem do Profeta Zacarias 11,12 que diz: “o preço da venda de um escravo ou de um mês de trabalho”, de uma vida que deveria ter um preso muito alto, mas na verdade quem estava comprando a nós era o Senhor com o preço de sua Vida. A figura de Judas faz com que a gente tente imaginar o processo interno que ele viveu, e não foi fácil. A Igreja desde seus primórdios, via na lembrança da traição um exame de consciência, pois a resposta pessoal de Jesus pode dirigir-se de novo a novos traidores de sua Pessoa.
Aqui a Igreja não dá nenhuma sentença sobre Judas, ele está entregue a infinita misericórdia de Deus. Nós é que precisamos fazer o nosso exame de consciência, pois trazemos dentro de nós potenciais traidores, quando pecamos ou quando negamos a Deus e a nós mesmos. Judas não chama Jesus de Senhor como os outros discípulos, mas o chama de Rabi, que quer dizer mestre. (cf. Mateus 26,25).
Mestre, professor, qualquer um poderia ter muitos naquela época, mas Senhor somente um, ou seja, Jesus era somente mestre de Judas e não Senhor de sua vida. O “ai” do narrador do evangelho, não é somente compaixão por Jesus, mas a dor pelo fato de que entre os doze haja um traidor. A Palavra de Deus é uma contradição, como relatar um fato de fracasso tão grande como esse entre os discípulos de Jesus. Fazendo um exame de consciência, agora eu e você podemos nos perguntar: “Acaso, serei eu, Senhor?”.
É preciso deixar vir para fora os pequenos e grandes pecados que possam me tornar um outro Judas. Mesmo diante deste fato de perceber um traidor dentro de mim, eu não posso perder a chance de confessar e receber de Deus a misericórdia destinada para o Coração arrependido. Pedro também negou e traiu Jesus, só que Pedro reconheceu o seu pecado e chorou amargamente lavando-se na Misericórdia do Senhor, enquanto Judas, na sua soberba e falta de esperança não acreditou que poderia ser perdoado de pecado tão grande.
Pois, não conhecendo verdadeiramente a Deus Judas deixou-se afogar pelo seu pecado.
Oração: Senhor, diante da minha traição, dos meus pecados está as minhas lágrimas de dor como as de Pedro por não ter reconhecido tamanho amor e misericórdia. Reconheço que meus pecados e fraquezas são grandes, mas nunca maiores do que a chance de começar de novo, reconhecer, levantar a cabeça e confiar que não há pecado tão grande, que seja maior que Teu perdão e mereça a Tua misericórdia. Jesus não permita que o pecado me segue a ponto do desespero tomar conta do meu coração, daí-me a virtude da esperança, que alimenta a minha fé e a fortaleza no Teu Espírito para não me entregarão mal. E mesmo quando for surpreendido pela minha fraqueza eu possa disser como Pedro: “Senhor, Tu sabes tudo, sabes que eu Te amo”! Amém
Ouça O Podecast na integra: 
Clique e comente como você vivi e participa da Semana Santa? Deixe também seus pedidos de orações.
Conte com as minhas orações. 
Padre LuizinhoCom. Canção Nova.

Na Semana Santa tudo celebra o Mistério da Salvação

segunda-feira, março 25th, 2013
Nesta Semana tudo celebra o Mistério da Salvação, “Ele tomou sobre si a nossas dores, Seu sangue derramou para nos resgatar das trevas e por Suas chagas fomos sarados”. (Isaías 53 O Servo sofredor). Quando celebramos a liturgia e de forma especial nesta semana A Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor, não estamos recordando, como num álbum de fotos ou num filme de gravações de memórias passadas. A espiritualidade das celebrações litúrgicas atualizam em nossa vida hoje o Mistério que estamos celebrando, ou seja, estamos vivendo e recebendo as graças eficazes do que estamos celebrando, rezando. Por isso, celebrar a liturgia não é fazer uma simples memória, mas trazer para minha vida hoje, atualizar, tornar novo, Aquilo que nos trouxe Jesus Cristo, seus gestos, Palavras e principalmente o Amor que o levou a morrer por nós na cruz. (Cf. Jo 3,16) Quem garante tudo isso é o Espírito Santo e a intenção verdadeira da Igreja que celebra os Mistérios de Cristo por sucessão apostólica. Isso quer dizer, que recebemos de Cristo e dos apóstolos.
A Santa Missa é a maior oração que podemos fazer, pois Ela é a atualização da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. Após a comunhão, apesar da Igreja lotada estava rezando e contemplando O Mistério que enchia meu coração. A Eucaristia, que o Sacerdote consagrou, do mesmo Jeito e Palavras que fez Jesus na ultima ceia com os seus discípulos. Neste momento meu coração triste e saudoso foi preenchido pela presença amorosa de Cristo que derramava seu Sangue precioso sobre mim e ali eu vivi a realidade do amor de Deus, que me resgatava daquele momento de tristeza e saudade. Sua mão ensangüentada tocou em mim.
Ouça o Podcast na integra:
Hoje quero convidar você a rezar e a viver a liturgia desta Semana, clamando as mãos ensangüentadas de Jesus, Suas Santas Chagas e experimentar a ressurreição e a Salvação. Apresentemos onde mais precisamos que Jesus nos toque. É importantíssimo participar das funções litúrgicas na sua paróquia e renovar sua fé e seu batismo junto com a sua comunidade, por isso, procure saber os horários de cada celebração.
O Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor abre solenemente a Semana Santa. No século IV, já encontramos em Jerusalém notícias sobre uma celebração que procurava recordar o mais exatamente possível à entrada histórica de Jesus de Nazaré na cidade. Cristo que é saudado como Messias e Rei entra voluntariamente para sua Paixão. A liturgia das palmas antecipa neste domingo, chamado de páscoa florida, o triunfo da ressurreição, enquanto que a leitura da Paixão nos convida a entrar conscientemente na Semana Santa da Paixão gloriosa e amorosa de Cristo o Senhor.
Sentido do Tríduo Pascal
O Tríduo Pascal é a maior celebração das comunidades cristãs. A Páscoa é o centro do ano litúrgico, fonte que alimenta a nossa vida de fé. Celebrar o Tríduo Pascal da paixão e ressurreição do Senhor é celebrar a obra da redenção humana e da perfeita glorificação de Deus que o Cristo realizou quando, morrendo, destruiu a nossa morte e ressuscitando, renovou a vida.
Quando teve início o Tríduo Pascal?
No final do século IV, encontramos já organizado um tríduo pascal, que Santo Agostinho recomendava vivamente a seus fiéis. Formavam, em princípio, o tríduo: a sexta-feira, o sábado e o domingo. É no século VII que o tríduo se inicia com a “Ceia do Senhor” na tarde da quinta-feira, com o que fica ele constituído pela quinta-feira, pela sexta-feira e pelo sábado – aí incluída a vigília pascal. As três datas formam uma unidade: a celebração do mistério pascal.
O que celebramos na Quinta-feira Santa?
O Senhor celebrara com os seus a última ceia no contexto da páscoa judaica: a comemoração da passagem de Israel pelo Mar Vermelho. Nesse dia, Cristo inaugura à nova Páscoa, a da aliança nova e eterna, a de seu pão compartilhado e seu sangue derramado, a de seu amor levado ao extremo e do mandato do amor para nós, a de sua passagem pela morte à ressurreição, a Páscoa que devemos celebrar em sua comemoração. Eucaristia, sacerdócio, mandato do amor e nova Páscoa do Senhor são o conteúdo preciso da missa da Ceia do Senhor. O transporte das formas (hóstias) consagradas à urna para a comunhão da sexta-feira inicia-se no século XIII. O “monumento” (local físico) é elemento acidental e só encontra sentido em vinculação com o mistério celebrado: agradecimento ao amor de Cristo e oração-reflexão do mistério pascal.
O que celebramos na Sexta-feira Santa?
Como vem acontecendo há muito tempo, hoje não se celebra a missa, tendo lugar à celebração da morte do Senhor: o mistério que é celebrado é uma cruz dolorosa e sangrenta, mas ao mesmo tempo vitoriosa e resplandecente. Trata-se de morte, a de Cristo, real e tremenda; mas é passagem para uma vida ressuscitada e eterna. O amor de Deus, que é vida, terá mais poder do que o pecado do homem, que é morte. A celebração incorpora-nos à redenção de Cristo e a seu mistério de salvação universal: pela morte à vida.
O que celebramos na Vigília Pascal?
Contamos com documentos do início do século III, que apresentam alguns elementos desta celebração, tais como: jejum, oração, eucaristia – e até batismo, com a bênção da “fonte batismal”. Vão-se acrescentando depois novos elementos: o canto do Exulte, que se vê documentado no século IV e a bênção do círio pascal, no século V. Pouco a pouco, foi-se enriquecendo esta última, que deve ser “a celebração das celebrações” para o cristão, e a que Santo Agostinho denominava “Mãe de todas as vigílias”. Assim ouvimos com alegria: “Cristo ressuscitou, verdadeiramente, dos mortos”! Num duelo admirável a morte lutou contra a vida, e o Autor da vida se levanta triunfador da morte. Terminou o combate da luz com as trevas, combate histórico de Jesus com os fariseus e todas aquelas pessoas que não acolheram o Reino de Deus. Após as trevas brilhará o sol da Ressurreição!
Oração a Jesus Crucificado
Eis-me aqui, meu bom e dulcíssimo Jesus! Humildemente prostrado em vossa presença, eu vos peço e suplico, com toda alegria do meu ser, que graveis no meu coração os mais vivos sentimentos de fé, esperança, caridade, arrependimento dos meus pecados e firme decisão de mudar de vida. Contemplo com grande dor as vossas cinco chagas, vossas chagas gloriosas de onde jorraram o Teu Preciosíssimo Sangue. Vem tocar em mim com Tuas mãos chagadas e cura-me, liberta-me. Tendo presente as palavras que já o profeta Davi colocava em vossa boca, ó bom Jesus: “Traspassaram as minhas mãos e os meus pés e contaram todos os meus ossos”. Meu bom Jesus crucificado, que eu também saiba aceitar as contrariedade e dores da vida e socorrer os meus irmãos que sofrem. Que neste mundo eu possa viver como pessoa ressuscitada pelo amor de Deus em Cristo Jesus.Amém!
Clique em comentários e partilhe como você vivi a Semana Santa?
Minha benção fraterna.
Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

O Sermão das Sete Palavras de Cristo na Cruz

sexta-feira, abril 6th, 2012
“De fato, Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3,16.
Quis começar com essa passagem tão conhecida para falar de algumas Virtudes da Cruz de Cristo, que nós podemos hoje tomar posse. Sexta-feira Santa a Igreja nos ensina a guardar o silêncio, pois o Senhor “dorme” está em repouso, e um texto antigo do terceiro século de um autor desconhecido diz que Cristo desceu a mansão dos mortos para resgatar os fiéis antigos que esperavam este Dia Glorioso, e o primeiro deles foi Adão a quem o Senhor estendeu a mão para retirá-lo das trevas dizendo: “Desperta tu que dormes, levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará” (cf. Efésios 5,14). Essa não é uma historinha, é um dogma de fé, que professamos do Creio, ‘desceu a mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia’. Cristo hoje quer e pode nos tirar de toda situação de morte em nossas vidas.
Olhando para o crucificado, para o lado aberto de Cristo, de onde jorraram sangue e água, a primeira Virtude da Cruz que Jesus nos dar é aVida Eterna“para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” O mundo tem nos apresentado uma pseudo vida, cheia de esforços para preencher o nosso coração, mas que não tem conseguido corresponder aos anseios de nossa alma, pois a nossa alma tem sede do eterno, do sagrado, tem sede de Deus, mesmo que você não de esse nome, você tem sede de Deus! Precisamos passar pelo lado aberto de Cristo toda nossa vida, para que daí possa nascer de novo para uma vida nova.
A Virtude da Esperança é outro dom extraordinário para os nossos tempos de desesperados, fala que não é verdade que hoje nós não sabemos esperar, não temos paciência, tudo tira a nossa calma, com facilidade perdemos a paciência e o humor. Falta-nos esperança porque nos falta Deus, a Esperança dos homens. Que nos ensina a paciência, nos ensina a esperar, a crer que “tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus”.
A Virtude da Fé perpassa todo Mistério da Cruz, pois só podemos entender um Deus que oferece o seu filho único para morrer por um povo que não merece, se for pela fé. Deus deu o maior foto de credito no homem, só este gesto poderia e pode Salvar o mundo, que hoje vive sua maior crise de fé. “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu filho único”, essa é a maior de todas as Virtudes da Cruz: O AMOR. São João nos fala na sua primeira carta que Deus é Amor, é simples, mas essa é a essência de Deus, quem não ama não conhece a Deus, e hoje nós somos profundamente marcados pela falta de amor, pela violência, pelo ódio, como diante de tudo isso que nos apresenta um mundo sem Deus, acreditar que Deus é Amor.
É só olhar para o crucificado, e nele ver a prova mais expressiva do amor, aquele que é capaz de dar a Vida, quando daríamos a vida por um criminoso ou por um grande pecador? Pois Deus deu a vida por você por Amor. Essa força é a única capaz de mudar as pessoas, de mudar o mundo. Peçamos ao Senhor as Virtudes da Cruz, para que nós possamos viver e experimentar a Vida nova que Cristo conquistou com o seu sangue e sua morte na Cruz.
Para Deus conta mais a Qualidade da minha fidelidade do que a quantidade de minhas infidelidades!
A crucificação de Jesus Cristo é narrada nos quatro evangelhos, dando o quadro completo do sacrifício do Cordeiro de Deus pela Salvação do mundo (Lc. 23,33-49; Mt. 27,32-56; Mc 15,21-41; João 19,17-37). È uma tradição antiga da Igreja, dos grandes pregadores refletirem e mergulharem na espiritualidade das Sete Palavras de Cristo na Cruz. Hoje podemos nos prostrar diante do crucificado e beijando as Suas Santas Chagas receber os frutos desta santa devoção. Às três horas da tarde, nos diz os Evangelhos Jesus morre por amor de mim e de você, essa é a Hora da Misericórdia.
“Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus como fonte de misericórdia para nós, eu confio em Vós!” Dentro desta espiritualidade rezemos com as sete últimas Palavras de Cristo na cruz, dando a vida por mim e por você:
I – Perdão: 
I- “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem”. (Lc. 23,34)
1. Jesus se deixa crucificar pelos nossos pecados.
2. Jesus se deixa crucificar pelo perdão da humanidade.
II – Abertura do Céu: 
“Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”
 (Lc 23,43)
1-Jesus se deixa crucificar pela salvação dos perdidos. (Dimas o bom ladrão).
2-Jesus se deixa crucificar para nos abrir o caminho e as portas do céu.
III – Amor e Proteção: 
“Mulher, eis ai o teu filho… Eis ai a tua mãe” (João 19, 26, 27)
1. Jesus se deixa crucificar por amor, para salvação do mundo.
2. Jesus recomenda sua mãe a João e João a sua mãe, proclamando a grande fraternidade da família de Deus a Igreja.
IV – Substituição: 
“Meu Deus, meu Deus porque me abandonaste”. (Mt 27,46) e (Mc 15,34)
1. Jesus se deixa crucificar no lugar dos pecadores, Ele se faz pecador. (II Cor. 5,21)
2. Jesus se esvazia da divindade, para dar aos pecadores a plenitude da Vida Eterna.
V – Sede de Redenção: “Tenho sede” (João 19,28)
1. Jesus morre de sede, para dar a Água da vida ao mundo.
2. Jesus anseia pelo mundo remido da sequidão do mal e do pecado.
VI – Consumação da Redenção: “Tudo está consumado” (João 19,30).
1. Jesus fica satisfeito ao ver consumada sua obra de redenção, sua Vitória sobre a morte.
2. Jesus contempla o mundo remido por sua morte, que traz a vida Missão cumprida.
VII – Entrega ao Pai: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 23,46)
1. Jesus expira nas mãos do Pai, para ensinar a viver e morrer.
2. Jesus reina no mundo Espiritual, abrindo ao mundo o Reino da Vida Eterna.
O mundo tem sede de Deus, de beber do manancial da salvação, que é o Coração aberto de Jesus na Cruz. O sangue de Jesus Cristo nos lave de Todo o mal, de todo o pecado, e nos conceda a Vida, a saúde e a paz…
“Um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água”. (Jo 19,34).
Eterno Pai, eu vos ofereço o Corpo e o Sangue a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e dos pecados do mundo inteiro. Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
Escute O Podcast na integra: 
Clique em Comentárioscomo você vive o sofrimento e a cruz? E deixe seus pedidos de orações.
Minha benção fraterna.
Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

Semana Santa: Qual o preço da nossa salvação?

quarta-feira, abril 4th, 2012
“Naquele tempo, um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes e disse: “Que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus” (cf. Mt 26,14-16).
Estamos avançando dentro da espiritualidade da Semana Santa, três figuras se apresentam no anuncio da traição, que se desenrola numa cena dramática, a Ultima Ceia, que permite contrapor ao traidor Judas, o discípulo predileto, e Pedro. “Jesus ficou profundamente comovido e testemunhou: Em verdade, em verdade vos digo, um de vós vai me entregar”. João 13, 21 Quem estava com Jesus eram os doze, os mais chegados, que conviveram com o Mestre durante três anos. Imagine o que se passava no meio deles, as perguntas, as desconfianças: “Mestre serei eu?” Todos se questionavam, foi colocada em cheque a amizade, a intimidade, a fidelidade dos Apóstolos. Jesus também nos questiona hoje, que tipo de pergunta Jesus estaria fazendo para você? És meu amigo, queres me seguir ou tens medo de não ser fiel?
Mas Jesus sabia quem iria lhe trair e quem iria lhe negar e também que todos o abandonariam já no Monte das oliveiras. No meio está Jesus, que estremece ante a presença do ódio satânico: “… mas a morte entrou no mundo por inveja do diabo”. Jesus conserva seu domínio soberano, faz um gesto de afeto particular, passa o pão no molho e entrega ao traidor, pois em nenhum momento Ele desistiu de Judas, e dá a ele a ordem de agir. A questão agora é qual o valor que eu dou a cada coisa, pessoa e situação na minha vida. Judas vendeu o Mestre por trinta moedas de prata, os valores que damos ao que vivemos revela o nosso caráter a nossa índole. “Onde esta o teu tesouro ai estará o teu coração”.
O discípulo amado, o traidor Judas e Pedro, que negaria Jesus antes que o galo cantasse, antes do dia amanhecer. Esses dois últimos em relação bem distintos, Judas deixam as trevas lhe dominar, ele arquitetou, premeditou a traição, esse acontecimento foi sendo concebido no interior de Judas há muito tempo, pois até já tinha vendido o Mestre por trinta moedas de prata. Pedro agiu por covardia, por medo do compromisso de ter que passar pelas mesmas coisas que Jesus estava passando, mas arrependeu-se amargamente e no final de sua vida a fidelidade o levou a ser crucificado como seu Mestre, porém de cabeça para baixo, pois não se achava digno de morrer como o Senhor.
Jesus continua no meio e o discípulo amado é o interlocutor desse diálogo, aqueles que iriam trair e negar não conseguem dirigir a palavra a Jesus. Esse diálogo prova que a cena é toda perpassada por uma profunda misericórdia e conhecimento de Jesus da fragilidade humana. Enquanto Judas vendia Jesus por uma bagatela, Ele nos comprava pelo preço de Sua própria vida, do seu sangue: “De fato, fostes comprados, e por preço muito alto! Então, glorificai a Deus no vosso corpo” (cf. I Cor 6,20). Aqui esta em questão o valor de cada pessoa para Deus, qual o valor de Judas? Qual o valor de Deus em minha vida? Por muito menos nós os filhos de Deus temos nos vendido.
“O pecado espreita a porta, embora ele te deseje, tu podes dominá-lo”. (Gêneses 4, 7) É hora das trevas, Judas se perde na escuridão, sobre ele se esconde pesada noite, imagem das trevas que iriam surpreendê-los. Mas no meio desta noite refulge o esplendor da Glória, preceito do amor. A Paixão é o cumprimento do desígnio divino e o sacrifício por Amor é a glorificação de Deus pelo homem e do homem por Deus. O anúncio da Paixão provoca a intervenção de Pedro e o anúncio da negação. Confessar Jesus até a morte não é obra puramente humana, è dom de Deus, que será concedido depois que Jesus tiver se sacrificado por primeiro.
Pedro por hora não pode segui-lo e Judas que deu lugar às trevas não compreendeu a misericórdia, que é infinitamente maior que o pecado, e por isso se perdeu no desespero de tirar sua própria vida, não acreditou em Jesus e na sua misericórdia que é infinitamente maior que o nosso pecado.
Comprados pelo Sangue de Cristo, qual o seu preço? Clique em comentários e deixe os seus pedidos de orações.
Minha benção fraterna+
Padre Luizinho, Com Canção Nova.

Uma ferida que traz a Cura e a Salvação!

quarta-feira, abril 4th, 2012
“Chegando a Jesus viram que já estava morto. Por isso, não lhe quebraram as pernas, mas um soldado golpeou-lhe o lado com uma lança, e imediatamente saiu sangue e água”. (Cf. João 19,33-34)
Conta-nos uma antiga  Tradição, que este soldado que perfurou o lado de Jesus teria sido São Longuinho. Após furar o lado de Cristo, o sangue e água que jorraram caíram primeiro em seus olhos e ele fora curado duplamente pelo sangue de Jesus. A primeira cura que experimentou São Longuinho foi uma cura física, pois ele tinha um dos olhos perfurados pelas inúmeras batalhas e assim que o Preciosíssimo Sangue lhe atingiu foi como o mais precioso colírio que a humanidade poderia ter recebido. A segunda cura foi espiritual, ele não acreditava que Jesus era o filho de Deus, era doente na alma pela falta de fé. Assim que se percebeu curado viu todo o cenário maravilhoso da salvação e exclamou: ”Verdadeiramente este era o Filho de Deus!” (Cf. Mateus 27,54). Você sabia da existência verdadeira deste santo?
Contemplemos essa cena dolorosa, mas ao mesmo tempo fonte de cura e libertação. Um gesto brutal,  mas que nos deu a grande fonte dos sacramentos e da vida para nossa Igreja e para nós. Bebamos da fonte da Vida Nova, Sangue e Água direto do coração de Deus, brota a possibilidade de sermos curados de nossas doenças físicas e espirituais. Quantos de nós hoje padecemos de dor e sofrimento em nosso corpo, um câncer, uma AIDS, uma paralisia, a própria cegueira, as doenças do nosso tempo, depressão, a solidão, o medo, o vazio e a síndrome do pânico e etc., mas podemos contemplar o crucificado e nos colocar embaixo deste rio de Água Viva que quer nos curar de toda enfermidade nos lavando em seu Preciosíssimo Sangue.
O Sangue preciosíssimo de Jesus lava-nos de nossa cegueira, da falta de fé, da insensibilidade, das experiências que nos encheram de desamor e de ódio, das falsas doutrinas que predentem nos ensinar o caminho da salvação, das situações e do próprio pecado. No Sangue e Água podemos nascer de novo, para uma vida nova como homens e mulheres que beberam das torrentes da Fonte da Vida o Corpo Glorioso de Jesus, mas ferido de um eterno e infinito amor por você e por mim.
RezemosÓ Sangue e Água que chorastes do Coração de Jesus, como fonte de misericórdia para nós, eu confio em vós. Lava os meus olhos e cura minha falta de fé e de esperança, cura minhas feridas do corpo e da alma, alivia as minhas dores, perdoa os meus pecados, liberta-me do mal e da tentação do demônio. Quero com São Longuinho e Nossa Senhora proclamar que o Sangue de Jesus tem poder na minha vida! Amém.
Clique em comentários e deixe seus pedidos de orações e seu testemunho.
Minha benção fraterna.
Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor espiritual e Formador no Pré-discípulado.

Semana Santa: O que aconteceu com Judas o traidor?

terça-feira, abril 3rd, 2012
“Em verdade, em verdade vos digo, um de vós me entregará”. Desconcertados, os discípulos olhavam uns para os outros, pois não sabiam de quem Jesus estava falando. Um deles, a quem Jesus amava, estava recostado ao lado de Jesus. Simão Pedro fez-lhe um sinal para que ele procurasse saber de quem Jesus estava falando. Então, o discípulo, reclinando-se sobre o peito de Jesus, perguntou-lhe: “Senhor, quem é?” Jesus respondeu: “É aquele a quem eu der o pedaço de pão passado no molho”. Então Jesus molhou um pedaço de pão e deu-o a Judas, filho de Simão Isca­riotes. Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. “Vós me procurareis, e agora vos digo como eu disse também aos judeus: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’”. Simão Pedro perguntou: “Senhor, para onde vais?” Jesus respondeu-lhe: “Para onde eu vou, tu não me podes seguir agora, mas seguirás mais tarde”. Pedro disse:“Senhor, por que não posso seguir-te agora? Eu darei a minha vida por ti!” Respondeu Jesus: “Darás a tua vida por mim?” “Em verdade, em verdade te digo: o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes”. (cf. João 13, 21-33. 36-38).
Nestes dias precisamos estar atentos ao que Deus nos fala. Jesus colocou em chegue à amizade e a fidelidade de todos os discípulos, e todos se questionavam: “Acaso, serei eu, Senhor?” Porque Jesus diz “é aquele que come comigo”, mas todos estavam comendo com Ele na Ceia derradeira, portando cada um deles poderia ser o possível traidor. O mais importante àquele que o traiu não conseguiu experimentar, apesar do meu pecado o Senhor me ama e o seu amor é infinitamente superior ao meu erro e traição. O maior pecado de Judas não foi à traição, foi o desespero em não confiar na infinita misericórdia de Deus!
A traição de Judas está pautada com alusão a passagem do Profeta Zacarias 11,12 que diz: “o preço da venda de um escravo ou de um mês de trabalho”, de uma vida que deveria ter um preso muito alto, mas na verdade quem estava comprando a nós era o Senhor com o preço de sua Vida. A figura de Judas faz com que a gente tente imaginar o processo interno que ele viveu, e não foi fácil. A Igreja desde seus primórdios, via na lembrança da traição um exame de consciência, pois a resposta pessoal de Jesus pode dirigir-se de novo a novos traidores de sua Pessoa.
Aqui a Igreja não dá nenhuma sentença sobre Judas, ele está entregue a infinita misericórdia de Deus. Nós é que precisamos fazer o nosso exame de consciência, pois trazemos dentro de nós potenciais traidores, quando pecamos ou quando negamos a Deus e a nós mesmos. Judas não chama Jesus de Senhor como os outros discípulos, mas o chama de Rabi, que quer dizer mestre. (cf. Mateus 26,25).
Mestre, professor, qualquer um poderia ter muitos naquela época, mas Senhor somente um, ou seja, Jesus era somente mestre de Judas e não Senhor de sua vida. O “ai” do narrador do evangelho, não é somente compaixão por Jesus, mas a dor pelo fato de que entre os doze haja um traidor. A Palavra de Deus é uma contradição, como relatar um fato de fracasso tão grande como esse entre os discípulos de Jesus. Fazendo um exame de consciência, agora eu e você podemos nos perguntar: “Acaso, serei eu, Senhor?”.
É preciso deixar vir para fora os pequenos e grandes pecados que possam me tornar um outro Judas. Mesmo diante deste fato de perceber um traidor dentro de mim, eu não posso perder a chance de confessar e receber de Deus a misericórdia destinada para o Coração arrependido. Pedro também negou e traiu Jesus, só que Pedro reconheceu o seu pecado e chorou amargamente lavando-se na Misericórdia do Senhor, enquanto Judas, na sua soberba e falta de esperança não acreditou que poderia ser perdoado de pecado tão grande.
Pois, não conhecendo verdadeiramente a Deus Judas deixou-se afogar pelo seu pecado.
Oração: Senhor, diante da minha traição, dos meus pecados está as minhas lágrimas de dor como as de Pedro por não ter reconhecido tamanho amor e misericórdia. Reconheço que meus pecados e fraquezas são grandes, mas nunca maiores do que a chance de começar de novo, reconhecer, levantar a cabeça e confiar que não há pecado tão grande, que seja maior que Teu perdão e mereça a Tua misericórdia. Jesus não permita que o pecado me segue a ponto do desespero tomar conta do meu coração, daí-me a virtude da esperança, que alimenta a minha fé e a fortaleza no Teu Espírito para não me entregarão mal. E mesmo quando for surpreendido pela minha fraqueza eu possa disser como Pedro: “Senhor, Tu sabes tudo, sabes que eu Te amo”! Amém
Ouça O Podecast na integra: 
Clique e comente como você vivi e participa da Semana Santa? Deixe também seus pedidos de orações.
Conte com as minhas orações. 
Padre LuizinhoCom. Canção Nova.

Semana Santa: “A casa encheu-se com a fragrância do perfume”

segunda-feira, abril 2nd, 2012
A liturgia de hoje apresenta-nos três personagens e três atitudes deferentes diante de Jesus. Faz-nos pensar quais são os nossos verdadeiros interesses na vida e em relação para com Deus. Nas leituras de hoje, nos são apresentados três personagens, Maria, Judas e Lázaro. Quais são os meus mais profundos interesses na vida? No Evangelho desta Segunda-feira Santa (cf. Jo 12, 1-11), mostra-nos que é impossível ficar indiferente diante do Mistério de Cristo, é preciso tomar uma decisão, acompanha-lo ou deixa-lo e seguir o meu caminho.
Maria derramou aos pés de Jesus o perfume mais caro que ela tinha e o enxugou com os cabelos. Sabe lá o que ela fazia antes com este perfume e a quem ela atraia com ele? O mais importante é que o verdadeiro perfume do coração, dos pensamentos e dos interesses de Maria estavam revelados naquela nobre atitude. Ela entendeu que seu valor mais precioso estava visitando sua casa e talvez não tenha compreendido que aquele perfume  significava o balsamo que iria ungir o corpo do Mestre em sua morte, quando este entregasse a vida. Maria, irmã de Lázaro, ao ungir os pés expressou, quero seguir os passos de Jesus independente do valor que eu tenha que pagar!
“Depois de ter ungido os pés do Senhor, esta mulher não os limpou com uma toalha, mas com os próprios cabelos, para melhor honrar o Senhor. […] Qual homem sedento que bebe de uma fonte que cai em cascata, também esta mulher bebeu da fonte da santidade uma graça cheia de delícias, para saciar a fome da sua fé. No sentido alegórico ou místico, porém, esta mulher prefigurava a Igreja, que ofereceu a Cristo a devoção plena e total da sua fé. […] Uma libra é constituída por doze onças. Tal é, pois, a medida do perfume que a Igreja recebeu, qual perfume precioso, dos ensinamentos dos doze apóstolos. Com efeito, nada há tão precioso como os ensinamentos dos apóstolos, que contêm a fé em Cristo e a glória do Reino dos Céus. Além disso, diz o Evangelho que a casa se encheu com a fragrância deste perfume, porque o mundo se encheu com os ensinamentos dos apóstolos. “Por toda a terra caminha o seu eco, até aos confins do universo a sua palavra” (Sl 8, 5). São. Bernardo (1091-1153), monge cisterciense e doutor da Igreja.
Lázaro, era amigo de Jesus, foi ressuscitado pelo Senhor daquilo que o havia levado a morte, uma doença física, mas quantas doenças espirituais nos levam a morte de nossa alma, de nossas mais verdadeiras e justas intenções? A vida de Lázaro era um milagre, o maior que Jesus havia feito, por isso, a presença de Lázaro incomodava sem precisar falar muita coisa: “Então os sumos sacerdotes decidiram matar também Lázaro, porque, por causa dele, muitos acreditavam em Jesus”. (cf. João 12,10-11).  Lázaro seguiu os passos de Jesus pelo testemunho de vida, nos nossos tempos talvez seja o maior e mais eloquente meio de anunciar a Salvação. Um grande número de judeus, ao saber que Ele estava ali, vieram, não só por causa de Jesus, mas também para verem Lázaro, que Ele tinha ressuscitado dos mortos. Os sumos sacerdotes decidiram dar a morte também a Lázaro, porque muitos judeus, por causa dele, os abandonavam e passavam a crer em Jesus.
Judas era mesquinho, não conseguiu ultrapassar o valor material, o quanto que aquela unção aliviou os pés cansados do Senhor e o que aquela atitude deve ter significado para Maria. Judas não conseguia sair de si e de seus limites interiores, pois era ladrão: “Porque é que não se vendeu este perfume por trezentos denários, para dá-los aos pobres?” Ele, porém, disse isto, não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão e, como tinha a bolsa do dinheiro, tirava o que nela se deitava. Mas bastava uma pequena intenção no coração para mudar tudo,  e ele acompanhava Jesus tão de perto, era um dos doze, de confiança, mas não se deixou atingir a fundo pela Palavra nem pela vida do Jesus. Não seguia os passos do Mestre. Interessava o preço das coisas e não o valor das intenções e atitudes. Não queira saber o preço das coisas, mas sim o valor que elas significam para vida e para as pessoas!
Nesta Semana, eu e você somos convidados a seguir Jesus mais de perto e pensar qual é o valor supremo de minha vida e quais são meus verdadeiros interesses?Não fique preso nos seus limites, nem nas superfícies das coisas, queira ir mais fundo, queira mergulhar em tudo que vamos Celebrar estes dias. Quem sabe como Lázaro e Maria, o valor supremo que é a nossa vida, nós possamos dá-la a Jesus Cristo, seguindo os seus passos na cruz e na ressurreição.
Para que possamos viver melhor esta Semana Santa, quero aconselhar a você a participar de todas as celebrações litúrgicas, principalmente a partir do Tríduo Pascal da quinta-feira ao Domingo de Páscoa. Sugiro também que assista ao filme “A PAIXÂO” de Cristo, fala das ultimas horas de nosso salvador, faça junto com a sua família, amigos ou o grupo pastoral de sua comunidade.
Escute na integra o Podcast:
Clique em comentários e partilhe como você vai viver esta Semana Santa?
Minha benção fraterna+
Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador do Pré-discípulado.
Postar um comentário